sexta-feira, 8 de junho de 2018

NEPTUNO EM TRÂNSITO PELA CASA 1




Quando qualquer planeta exterior transita pelo Ascendente e a Casa 1, a nossa  próxima etapa importante de crescimento implica uma confrontação com as características do planeta em trânsito. A dissolução do que foi até então o nosso sentimento de nós mesmos e do nosso caminho na vida é o principal efeito da passagem de Neptuno por esta parte da Carta Natal. Como o nosso antigo "eu" está morrendo, podemos sentir-nos perdidos e confundidos: até este momento sabíamos quem éramos e que queríamos na vida, mas já não estamos tão seguros.
Neptuno, o planeta das margens incertas e fronteiras confusas, esfuma o nosso sentimento de identidade e nos obscurece a visão, e é provável que a nossa reação imediata seja de preocupação e de medo: o chão afundou debaixo dos nossos pés e sentimo-nos como se nos estivéssemos precipitando no vazio. Toda a vez que estamos prestes a resolver sobre algo mais firme, é como se os acontecimentos se pusessem de acordo para nos desestabilizar. Mesmo no caso que             vejamos uma direção que gostaríamos de seguir, aparece algo que nos bloqueia o caminho e frustra os nossos planos. Quando Neptuno está em trânsito pelo Ascendente, é provável que não tenhamos outra escolha a não ser aceitar a nossa confusão e conviver com ela. Essencialmente, isto significa darmos permissão para não fazer outra coisa que mantermo-nos a flutuar até que chegue o momento em que podemos pisar de novo terreno firme. E isto não é fácil; necessita-se ter muita confiança na vida para renunciar a controlá-la e esperar para var o que acontece a seguir. O mais lamentável é que nem todo o mundo tem este tipo de fé.
Segundo o psicólogo EriK Erikson, é mais provável que tenhamos adquirido uma confiança básica na vida se de pequenos tivemos adequadamente reconhecidas e satisfeitas as nossas necessidades básicas.
Mas se a nossa mãe ou a pessoa que nos tinha a seu cargo deixava constantemente de responder de forma adequada às solicitações daquela criança que éramos, teremos crescido com uma falta de fé não só na vida, mas também em nós mesmos. Crescemos com a opinião de que somos maus e indignos de amor: Por que, não nos daria mama se o necessitávamos? Sem ter esta confiança básica na vida e em nós mesmos, o trânsito de Neptuno pelo  Ascendente pode ser especialmente difícil. Como podemos relaxar e confiar que, no final das contas tudo terminará por ocupar o lugar que lhe corresponde, quando na parte mais profunda do nosso ser cremos que ao mundo não lhe importamos nada?
Com fé ou sem ela, o trânsito de Neptuno pelo Ascendente pode ser um dos períodos mais dramáticos e solitários da vida. É um trânsito que faz aflorar todos os sentimentos de abandono e de negligência de quando éramos crianças. Pode ajudar-nos a compreender que o que agora experimentamos são emoções "antigas" que retornam à superfície.
Ter tempo necessário para lamentar a mãe ou o pai ideal que não tivemos é uma maneira de começar a usar de forma construtiva este trânsito, e explorar estes sentimentos com um terapeuta representará uma  ajuda valiosa. São momentos em que nos sentimos vulneráveis e desamparados, e o terapeuta pode oferecer-nos o apoio que nos faltou quando éramos crianças. Também pode ser que transfiramos ao terapeuta ou à situação terapêutica a raiva que carregamos por não termos sentido então satisfeitas as nossas necessidades básicas, e desse modo a elaboraremos. Levar à consciência estes sentimentos é o primeiro passo para nos reconciliarmos com eles.
Quando Neptuno em trânsito atravessa o Ascendente e a casa 1, é frequente que nos vejamos arrastados a relações do tipo  vítima/salvador. É bastante fácil ver como podemos identificar-nos com uma vítima nestes momentos: com frequência este trânsito não só produz confusão e o sentimento de ter perdido a direção, mas também pode reativar as sensações de desamparo que experimentámos no começo da vida, quando para sobreviver necessitávamos de alguém maior e mais poderoso que nós. Se durante este trânsito nos sentimos débeis, "pequenos" e perdidos, é natural que andemos em busca de alguém que nos resgate. Tentar que outra pessoa nos salve pode ser benéfico imediatamente, mas é um plano de vida que à partida está condenado ao fracasso. O outro não poderá manter-se eternamente no papel de salvador e, mais cedo ou mais tarde, falhar-nos-á. Além disso, encontrar alguém que cuide da nossa vida reforça o sentimento de pequenez e fraqueza, e perpetua qualquer tendência que possamos ter de manipular os outros explorando a sua compaixão. No entanto, para quem seja uma dessas pessoas que sempre pareceram grandes, fortes e capazes, este pode ser o momento de deixar assomar - como via para um crescimento psicológico mais global e completo - a parte da sua natureza débil e vulnerável e permitir que os outros possam vê-la.
Mas também é tentador agora, e em ocasiões apropriado, o papel de salvador. Neptuno dissolve a separação e pode conferir um maior grau de empatia e de compaixão por outras pessoas. As nossas próprias fronteiras são incertas, e somos mais sensíveis ao que acontece com os outros. Até certo ponto, deixar de lado as nossas próprias necessidades para prestar atenção à difícil situação dos que são menos afortunados é uma forma positiva e natural de usar este trânsito. No entanto, em nome da sinceridade psicológica, devemo-nos perguntar que benefícios pessoais estaremos obtendo ao assumir o papel de mártir ou de messias. Ajudar os outros também é uma maneira de consolidar a nossa autoestima, e também nos dá poder sobre outras pessoas. Quando Neptuno passa pelo Ascendente e pela Casa 1, alguns dos nossos motivos para servir os outros são sem dúvida puros, mas também é possível que se infiltrem outros fatores. Este trânsito oferece-nos uma boa oportunidade para examinar mais a fundo as nossas razões para querer ajudar outras pessoas.
Neptuno estimula o desejo de transcender a nossa condição de seres à parte e de nos fundirmos com algo maior que nós mesmos, de modo que, quando o planeta está transitando pela Casa 1 podem dar-se desejos e vivências de natureza mística ou religiosa. Os sentimentos piedosos ganham altura, e em momentos como este, devemos exercer certa discriminação quanto aquilo que decidamos adorar ou ao que escolhamos entregar-nos. A credulidade lendária de Neptuno dá espaço a uma ou outra piada, mas pelo mundo andam charlatães que podem fazer-nos algo muito pior que simplesmente levar-nos "ao jardim".
Dado que Neptuno nos capacita para abarcar territórios que transcendem as fronteiras comuns do eu, este trânsito amplia a nossa capacidade para servir de canal através do qual podem fluir imagens e sentimentos arquetípicos. É frequente que as pessoas criativas se sintam mais inspiradas nestes momentos, e que possam produzir algumas das suas melhores obras. Independentemente das nossas habilidades artísticas, dar alguma forma de expressão criativa ao  que experimentamos pode ser uma maneira de tirar partido deste trânsito.
Quer saibamos ou não, quando Neptuno transita pelo Ascendente ou a casa 1, queremo-nos "perder". Sem darmos conta, geramos circunstâncias pelas quais as estruturas que até esse momento construímos vacilam e entram em colapso, de maneira que tenhamos necessidade de reconstruir-nos de uma nova forma. Fascinados por planos utópicos ou por propostas disparatadas e condenadas ao fracasso, terminamos na bancarrota emocional ou financeira e com poucas perspetivas, a não ser a de recolher os pedaços e voltar a construir-nos de outra maneira para começar de novo. Se (como sucede a muitos) nos apaixonamos durante este trânsito, não é simplesmente por qualquer um, mas sim do homem ou da mulher dos nossos sonhos. O problema é que mais cedo ou mais tarde despertamos e descobrimos que o ser amado não é o que nós imaginávamos que era. Talvez estivéssemos esperando que a outra pessoa fosse o pai ou a mãe ideal que perdemos ou que nunca tivemos. Sob a influência deste trânsito, no entanto, teremos que encarar o facto de que necessitamos encontrar o nosso pai ou a nossa mãe dentro de nós mesmos, em vez de procurar alguém que assuma esse papel connosco. Os românticos estarão agora no seu elemento: sentir-se-ão transportados um dia para as  alturas do êxtase, para se precipitarem no seguinte em abismos de desilusão e desespero. Se levámos sempre uma vida rígida e cautelosa, mas enfadonha, pode suceder que o efeito de dissolução e afrouxamento de Neptuno seja precisamente o que necessitamos para a nossa próxima etapa de crescimento. 
Agora, qualquer coisa que nos prometa libertar-nos das nossas correntes será muito tentadora. Com Neptuno em trânsito pelo Ascendente e casa 1, talvez nos sintamos atraídos para o álcool e outras drogas como maneira de expandir os nossos limites, ou como forma de escapar das dificuldades que não queremos enfrentar. Durante este período, as pessoas propensas ao vício terão de exercitar a sua capacidade de restrição e de discriminação, e encontrar maneiras mais saudáveis de lidar com os problemas e a dor. Também é provável que nos sintamos mais cansados e letárgicos do que é comum, especialmente quando Neptuno está cruzando com o Ascendente. Durante o dia estamos com sono e depois ficamos acordados a noite toda, quando deveríamos estar dormindo. 
Pode ser que sintamos "nostalgia do divino" - isto é, a ansiedade de retornar ao estado de unidade com a totalidade da vida que conhecíamos antes de nascer - e que experimentemos a forte tentação de nos apartar do mundo do cotidiano para viver no das fantasias e sonhos. Até certo ponto, é provável que necessitemos ceder a estes impulsos antes de voltar a emergir, dispostos a enfrentarmos novamente a realidade mundana.


 DESCRIÇÃO GERAL: 

Neste momento, você vê o mundo através do filtro do seu idealismo ou da sua imaginação, e pode relacionar-se com pessoas ou projetos que não são o que aparentam ser. Deve ser cuidadoso para não mentir ou ser enganado, devido a que está muito mais recetivo e crédulo agora e pode permitir que o levem a algo que não quer; noutro momento você teria usado a sua discriminação e bom senso para evitá-lo. O seu sentido da realidade não é tão forte nem claro durante  este período da sua vida, particularmente acerca de si mesmo. No entanto, o lado positivo disto é que você sente mais compaixão, está menos concentrado nas suas próprias necessidades, é mais universal nos seus interesses e está mais aberto ao reino intangível da inspiração e a beleza.
Neptuno na casa do eu predispõe a uma grande recetividade, mesclada com intuição e inspiração. A nossa sensibilidade agudiza-se particularmente. Este trânsito conduz a uma evolução muito importante dos nossos ideais, do nosso mundo interior. Adquirimos novos conhecimentos, que podem encaminhar-nos a movimentos coletivos.

NEGATIVO:

Podemos sentir-nos desestabilizados psiquicamente. Os nossos objetivos são confusos. Cuidemos sobretudo de não nos deixar influir por teorias duvidosas e vendedores de ilusões (tais como algumas seitas que pregam uma espiritualidade de má qualidade). Desistamos, se se apresenta, a tentação do álcool ou da droga.



domingo, 6 de maio de 2018

SOL EM TRÂNSITO PELAS CASAS




Na mitologia o Sol simboliza a fonte constante de luz, calor e energia vital. Na Índia, por exemplo, é a estrela que dá a vida, mas logo se desinteressa da sua descendência. A Lua, por sua vez, preside aos nascimentos mas continua sendo uma mãe carinhosa. Em geral, não se pode compreender o Sol sem ter em conta a Lua.
O Sol, centro da nossa carta astral, é como uma criança. Crescerá e amadurecerá através das nossas distintas experiências que serão analisadas e compreendidas pelos trânsitos.
Podemos observar alguma correspondência entre o estudo dos planetas e os conceitos da psicanálise. Cada ser funciona de diferentes maneiras: o subconsciente, que não está ao alcance imediato da nossa mente mas ao qual se pode aceder trabalhando sobre si mesmo; o consciente -o eu- simbolizado pelo Sol, ou seja, o nosso pensamento consciente, e o inconsciente, simbolizado por Plutão, instância constituída por conteúdos reprimidos; o superego, simbolizado por Saturno, juiz e sensor do eu, constituído pela nossa educação, as leis morais e sociais e o nosso sentimento de culpa. Para se sentir melhor, convém encontrar um equilíbrio entre estas diferentes instâncias.
O Sol simboliza em astrologia o mundo do eu e em negativo, o superego. É, pois, um mediador repleto de vínculos entre os processos psíquicos. Simplificando, pode-se dizer que serve de árbitro entre ele e o eu. (Sobre os outros planetas esquematicamente: Saturno está também em relação com o eu, o superego e o ideal do eu; a Lua, Vénus e Neptuno, planetas relativamente mais passivos com ele; Marte e Plutão com um selo mais ativo, o instinto). Em resumo, o Sol corresponde à imagem que temos de nós mesmos, a que desejamos ter, ao ideal de um eu modelo ao qual tentamos aproximar-nos. Constitui também o substituto do narcisismo perdido de nossa infância. Representa a imagem do pai, com a qual nos podemos identificar com mais ou menos sucesso.
O Sol dá-nos o impulso para ser e criar. Simboliza a vontade. Pelo lado positivo, pode-nos dotar de uma mente brilhante. Negativamente, podemos ter uma tendência excessiva para nos destacar dos outros e tornar-nos demasiado exigentes. Permite-nos somente o acesso ao que pode ser satisfeito sem que origine consequências prejudiciais.
O Sol leva 365 dias a dar a volta ao Zodíaco. Ou seja, durante um ano,  permanece um mês em cada uma das 12 casas da nossa Carta Astral e passa por todos os planetas e pontos da mesma. No curso destes trânsitos, assinalará e destacará as suas características. Os seus efeitos por Conjunção são os mais determinantes.
Tomemos um exemplo: Saturno transita por Vénus Natal. Este trânsito gera um ambiente um pouco difícil no plano afetivo. Faz pensar que estamos ganhado maturidade no que se refere aos nossos sentimentos. A passagem do Sol por Saturno e Vénus, reatualizará essa sensação. A partir desse momento desenvolveremos uma consciência mais aguda do problema e seremos capazes de integrá-lo e compreendê-lo.
Devemos observar a trajetória do Sol, como também a dos outros planetas, tendo em conta o estado geral do céu. Convém saber igualmente, que o trânsito do Sol é repetitivo e relativamente secundário (salvo em conjunção sobre um planeta natal ou sobre um trânsito de planeta pesado).


segunda-feira, 23 de abril de 2018

JÚPITER NATAL NA CASA 1




Acompanhado por fanfarra e rufar de tambores, Júpiter faz a sua aparição no palco da Casa 1. 
O posicionamento por casa deste planeta indica onde estamos abertos a uma inspiração superior. Quem tem Júpiter na 1, a Casa do EU, são filósofos naturais, que tentam responder a algumas das questões da existência. 
O que quer que façam, têm a capacidade de inspirar e de reativar a vida e o interesse, entregando-se com grande entusiasmo inicial ao que empreendem. 
Algumas vezes são importantes pensadores no domínio social, educativo ou religioso, enquanto outras pessoas que têm este posicionamento representam mais o lado desportivo de Júpiter e levam uma vida de aventureiros ou de jogadores. 
Alguns são o tipo de pessoa que veste sempre a última moda e a quem se vê em todos os lugares novos e excitantes. Entre os que têm Júpiter nesta Casa encontram-se também os amantes da natureza, que escalam montanhas para conseguir uma visão cada vez mais vasta.
Para alguns, o mundo é o seu pátio de recreio, por onde vagabundeiam encontrando-se com outros e compartilhando com eles o que têm, antes de seguir o seu périplo. Se entendermos que um planeta numa Casa indica a melhor maneira de encarar a vida nessa área, os que têm Júpiter na Casa 1 devem procurar expandir-se nas formas que estão associadas com este posicionamento. 
Por exemplo, Júpiter em Peixes deve aprofundar nas maneiras de abrir os sentimentos; se está em Aquário, Júpiter crescerá se  expandir o seu entendimento e Júpiter em Leão conseguirá isso aumentando a sua capacidade de autoexpressão. 
Por exemplo, a quase mítica superestrela Mick Jagger nasceu com Júpiter em Leão na Casa 1. Ao irradiar o seu ser através da sua música e da sua expressão criativa (Júpiter na Casa 1 rege Sagitário intercetado na Casa 5, a casa da criatividade) enche vastas salas de concerto com a sua poderosa presença. 
Enquanto Júpiter na Casa 1 quer seguir avançando cada vez mais rápido e é capaz de imaginar objetivos de largo alcance, os aspetos que Júpiter forme poderão  indicar alguma outra parte da personalidade que mantém imobilizado o nativo ou o impede de progredir. Mas provavelmente para ele seja melhor encarar a vida como uma viagem, embora tenha de fazê-la a muito menor velocidade do que gostaria. 
Nalguns casos, o exagero do sentimento de identidade é um dos perigos deste posicionamento. Convencidos inatos do quão valioso têm para oferecer, entre os que têm Júpiter na Casa 1 há os que não se guardam nada em segredo. Uma opinião desmesurada de si mesmos pode ser causa de que excedam as suas próprias capacidades. 
Às vezes, têm uma visão e uma inspiração maravilhosas, mas carecem da disciplina e da concentração necessárias para continuar em algo até terminá-lo. Como estão a tal ponto ansiosos por se libertar de todas as limitações, se as coisas ficarem difíceis, podem optar pelas saídas fáceis. 
A sua atitude alegre e despreocupada pode levá-los a ter problemas com as restrições e imposições do mundo. Podem ser um pouco comodistas e gostarão sempre que os atendam. De qualquer forma, os defeitos que esta influência astral acarreta dissimulam-se muito bem porque antes de mais mostram uma face feliz e uma atitude muito positiva em relação à vida. Estes são os principais motivos que explicam a sua grande sorte em quase todos os aspetos. 
Têm uma perspetiva otimista da vida e para os outros são joviais, confiantes e expansivos. Fazem o que podem para ser acorajadores e úteis com as pessoas e a sua generosidade e falta de agressividade fazem-nos ser muito queridos. 
Se Júpiter está com bons aspetos, é provável que a atmosfera do seu ambiente inicial tenha favorecido o crescimento e o desenvolvimento positivo destas pessoas, estimulando a sua criatividade e o seu caráter folgazão. 
Às vezes, este posicionamento indica viagens ou muitas mudanças de residência enquanto ainda se é jovem. Como Júpiter mostra uma tendência ao excesso e à expansão, estas pessoas podem ter problemas com o peso. 
Devido a que se veem como pessoas com sorte, talvez sintam que podem "escapar de tudo" sem consequências negativas. Tendem aos excessos e têm pouco sentido da moderação (ou cautela, às vezes).




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...